quarta-feira, 19 de outubro de 2016


Menina porca, avançou-se no banquete
Comeu com tanta ignorância,
Que não aguentou mais a ânsia
E vomitou tudo no tapete

Menina porca, vá se olhar no espelho
Olhe só o tamanho do seu traseiro
E ainda quer que um homem lhe jure amor verdadeiro
Eu vou é te dar uma surra de relho!

Menina porca, limpe já esse chão!
Olhe a sujeira desse quarto!
Para você se mexer é um parto
E depois não sabe por que está desse tamanhão

Menina porca, não fale sozinha
Não bastasse ser gorda, ainda é louquinha
Não me envergonhe diante dos vizinhos
Não aguento mais sair na rua e ouvir burburinhos

Menina porca, que comida mais horrível!
Nem para cozinhar se presta,
Mas come que chega a ser incrível
Temo pelo futuro que te resta

Menina porca, que louça é essa na pia?
Tenho mesmo que bater nessa sua cabeça
Para ver se entra algo na sua mente vazia
E, algum dia, quem sabe, você cresça e apareça?

Bem-feito, menina porca!
Não adianta ficar toda mordida
Só por que descobriu que está sendo traída
Afinal, quem quer a seu lado uma orca?

Menina porca, por favor, tenha logo um infarto
Assim você para de comer
E eu me livro logo desse fardo
Pois você nunca será feliz enquanto viver